segunda-feira, 5 de maio de 2014

“Acaso pode uma mulher esquecer-se do filho que ainda mama, de sorte que não se compadeça do filho do seu ventre?” Isaías 49: 15b


Quando pensamos na figura das mães sempre associamos a uma mulher de amor incondicional, com capacidade de realizar coisas que a própria razão desconhece, atitudes, ações que refletem tão somente o cuidado por sua cria.
Sempre que releio o texto de Isaías 49, e de forma muito especial os vvs 15 e 16, é inevitável não pensar nesse “amor incondicional” que muitas mulheres tem por seus filhos e filhas, algo instintivo, quase sobrenatural.
Na tentativa de entender um pouco mais do que o profeta esta falando, compreendi que os capítulos 49 e 50 fazem parte de um bloco chamado “Cântico do Servo”, e possuem temas similares a atitudes maternais: CONSOLO, COMPAIXÃO e RESTAURAÇÃO.
Deus diz ao povo de Israel que nunca se esqueceria deles, mesmo que uma mulher viesse a esquecer de seu filho a promessa que é de que o Senhor estaria pronto a nos consolar, ter compaixão e nos restaurar. São três características que poderíamos atribuir a muitas mães.
Desde o momento que estamos em gestação o ato de consolar é presente, comum é observar as mães acariciando suas barrigas, como se o embalo de suas mãos embalassem nossas vidas num ato antecipado de consolo.
Depois que nascemos somos constantemente agraciados por sua compaixão, frequentemente combina-se a uma vontade de aliviar ou diminuir o nosso sofrimento, bem como demonstrar especial gentileza em tentar nos livrar dos males desse mundo.  
Quando busquei entender o que seria esse sentimento de restauração numa perspectiva maternal, ficou claro que nossas mães constantemente estão realizando coisas para restabelecer a ordem do nosso viver e os danos decorrentes do tempo e de nossa falta de experiência.
A certeza que tenho é que em nosso viver a promessa de termos o consolo, compaixão e restauração será sempre um ato divino por nossas vidas, nossa família e igreja.

Que todas as Mães recebam a Graça do Consolo, Compaixão e Restauração vindas do Senhor nosso Deus, e que todos os filhos e filhas também sejam agraciados com estas maternais características do nosso Senhor!       

Pr. Márcio Gomes dos Santos 
Postar um comentário